quinta-feira, 15 de abril de 2010

A borboleta que se foi.

A borboleta voou lá pras bandas do Rio,
Deixou por cá, saudade e desespero.
Ela que sempre deseja a liberdade,
Foi buscar a plenitude e a salvação dos seus pequenos problemas.
Levou juntamente belas lembranças
D'um campo florido e harmonioso
Onde passara quase toda sua vidinha, intensa!
Agora fico a me perguntar:
Será que um dia ela há de passar novamente por cá?
Já que ela saiu batendo asas sem rumo, perderá o caminho de casa?
Desse campo sempre tão á espera dela?
Isso não tenho certeza.
Só espero que uma lestada a traga de volta
Para o seu lar, pois aqui vai encontara os galhos
Onde pode repousar toda sua beleza e tranquilidade.
Markoz Montello
[...Dedicado a uma amiga que sempre desejou voo mais altos. Saudades...]

Um comentário:

Fulô. disse...

'qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar'

Te levo comigo, sempre.
Te amo.